quinta-feira, 24 de julho de 2014

Eliza Samudio está enterrada perto de aeroporto em MG, diz primo de Bruno

Jorge Rosa Sales, 21, primo do goleiro Bruno Fernandes, que foi condenado a 22 anos de prisão pela morte da sua ex-amante Eliza Samudio, disse que o corpo da mulher foi enterrado nas proximidades do Aeroporto Internacional Tancredo Neves, situado na cidade de Confins, na região metropolitana de Belo Horizonte. O crime ocorreu em 2010 e o corpo da modelo nunca foi localizado. "Ela foi assassinada e enrolada em um lençol e colocada dentro de um saco plástico preto e enterrada em um buraco bem fundo escavado com trator em uma chácarazinha perto do aeroporto de Belo Horizonte", referindo-se ao aeroporto de Confins. A declaração foi dada em entrevista veiculada nesta quinta-feira (24) ao programa Haroldo de Andrade, da Rádio Tupi, do Rio de Janeiro. Sales, que era menor de idade na época do crime, foi condenado e cumpriu medida socioeducativa em Minas Gerais por ter sido considerado culpado no sumiço de Eliza. Ele foi solto em setembro de 2012. Segundo Sales, o corpo foi levado ao local dentro de uma EcoEsport e ele teria ajudado a jogar terra na cova. "Eu sei chegar ao local. Eu sei ir certo porque observo bastante", disse. Segundo ele, o local exato onde o corpo está enterrado tem como referência um coqueiro. "Tem um pé de coqueiro, só tem esse coqueiro lá dentro. É um pé de coqueiro grande. Mesmo se não tiver esse pé, eu sei onde está", afirmou. "Assim que você entra nesse sitiozinho, [a cova] é no meio desse terreno", afirmou.

terça-feira, 22 de julho de 2014

Pai espanca molestador do filho.

O chefe de polícia Mike Chitwood disse que “o pai só agiu como um pai. Eu não vejo nenhuma razão para que agíssemos contra ele ou para prendê-lo". O homem teria encontrado Raymond Frolander com as calças abaixadas junto de seu filho e, após isso, o espancou. Ao ligar para a polícia, o homem teria avisado sobre a situação em que tinha deixado Frolander: “em uma poça de sangue”, mas afirmou que “não tinha o matado”. Questionado se havia repreendido o pai pela agressão, Chitwood disse: "Não como um chefe de polícia e nem como um pai. O menino violentado tem apenas 11 anos, ele deveria estar brincando e correndo, jogando videogame, e não tendo de lidar com algo como isso”. Fonte: Terra

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Relembre Dunga xingando o Reporter Alex Escobar da Globo.

Globo revoltada com a CBF. A emissora dona do monopólio do futebol no país não aceita a volta de Dunga à Seleção. Confronto sério à vista. Ou Dunga deixará de ser Dunga. Como Felipão não foi Felipão…

Para bom entendedor, uma última mensagem no Fantástico vale muita coisa. A Globo fez questão de avisar. Dunga, o novo treinador da Seleção, teve 85% de rejeição na pesquisa que a emissora fez com seu público. E fez questão de divulgá-la com destaque. Ou seja. O ressentimento ainda não acabou. Marin e Marco Polo não terão o apoio da rede de televisão que detém o monopólio do futebol e da Seleção no país. O prejuízo com o vexame na Copa do Mundo foi palpável para a emissora. Havia várias campanhas publicitárias engatilhadas com um eventual título. A derrota afeta também os campeonatos internos. Nos Brasileiros da Série A e da Série B, de propriedade da emissora. Que os mostra na tevê aberta e a cabo, na Sportv. O clima de ressaca com a derrota do Brasil é generalizado. Executivos da Globo sonhavam com uma revolução depois de Felipão. A contratação de um executivo com trânsito internacional como Leonardo. E a aposta em um técnico estrangeiro. De renome. Guardiola, Mourinho, Jürgen Klopp. Até o argentino Sampaoli que comanda o Chile. A Globo esperava e queria uma revolução. Daria novo ânimo para o futebol, produto que assume como seu. A confirmação de Gilmar Rinaldi já abalou a relação com Marin e Marco Polo. Foi um balde de água fria. Por mais idôneo que Rinaldi seja, e é, colocar um empresário para tomar conta de todas as seleções é simbólico. Inaceitável. Mas o melhor estava reservado para o nome do técnico. Nunca um treinador havia rompido com a Globo como Dunga. Ele enfrentou o então presidente Ricardo Teixeira em plena Copa da África do Sul. Ele havia encarcerado a Seleção em um clube de golfe. Proibido o acesso dos jornalistas. E as entrevistas mesmo nas folgas. A 'proibição aos jornalistas' quis e atingiu em cheio o coração da Globo. A emissora foi quem sempre se beneficiou de privilégios na cobertura da Seleção. Mesmo o disciplinador Felipão teve de se dobrar ao acordo entre Marin e Globo. E engoliu Luciano Huck e Mumuzinho atrapalhando coletivos. Bruna Marquezine, Juliana Paes, Carolina Dieckmann na concentração durante a Copa do Mundo. O então presidente Ricardo Teixeira ficou histérico com a proibição. O executivo responsável pela Globo Esportes, departamento que engloba todo o futebol da emissora, exigiu que a CBF agisse. Teixeira mandou que Dunga cedesse e abrisse a concentração para a Globo. O técnico negou e até ameaçou abandonar o cargo em plena Copa.
Em seguida, teve a histórica situação com o apresentador Alex Escobar. Dunga dava uma coletiva e Escobar falava ao celular. Depois de uma resposta, o treinador entendeu que Escobar desdenhava de suas respostas. Passou a xingá-lo enquanto o que falava era traduzido aos jornalistas internacionais. Foi um escândalo. A Globo rompeu com o técnico. E depois da derrota diante da Holanda, ele foi crucificado na emissora. Nunca um treinador foi tão execrado por um veículo de comunicação. Teixeira logo pediu arrego. Fez jogadores da Seleção homenagearem Escobar. Robinho posou com uma camisa com o nome do jornalista xingado pelo técnico.
Dunga ficou sem trabalhar por três anos. Mas antes de assumir o Inter, a Globo buscou a reaproximação entre Alex Escobar e ele. Muito constrangidos, os dois até marcaram 'um café' para conversar. O que nunca aconteceu. Dunga voltou ao futebol depois que seu pai, que passou anos em coma, morreu. Fez um trabalho fraco no Internacional. Ganhou o Gaúcho do confuso Grêmio de Luxemburgo. Mas fracassou no Brasileiro e, apesar de ídolo no Beira-Rio, foi demitido sem dó. O time despencava. O técnico se recolheu, magoado. Se foi esquecido pelos grandes clubes do país, um país o queria de qualquer maneira comandando sua seleção: a Venezuela. Foram oferecidos salários de R$ 350 mil mensais e mais premiação de R$ 11 milhões caso classificasse o time para a Copa da Rússia. Dunga estava pronto para aceitar. O presidente da Federação Gaúcha, Francisco Noveletto, estava intermediando sua ida para lá. No meio do processo, Dunga desapareceu. Disse apenas por mensagem no celular que precisava ir a São Paulo. Verdade. Veio e se reuniu com Marco Polo, Marin e Gilmar Rinaldi. O treinador foi escolhido pelo que representa. Foi o único capitão de toda a história do futebol a levantar o troféu da Copa do Mundo xingando. Em 1994 mostrava a taça e xingava os jornalistas que o perseguiram desde 1990, duvidaram da Seleção de Parreira. Com ele, Marin tem a certeza que o perfil do psicológico do time brasileiro mudará. Em vez de lágrimas, a raiva, a autoestima. Gilmar Rinaldi convenceu Marin e Marco Polo com os números de Dunga no comando da Seleção. Foram 59 partidas, 41 vitórias, 12 empates e apenas seis derrotas. Conseguiu 76% de aproveitamento. Classificou o time em primeiro nas Eliminatórias, ganhou Copa América e Copa das Confederações.
A cúpula da CBF nem pensou em consultar ou avisar a parceira Globo. Foi um ato de independência inesperado. E que reverberou da pior maneira nos corredores globais. A postura cuidadosa de quem trata o futebol como um produto vai mudar. Ou melhor, já mudou. Dunga já começa a ser questionado, bombardeado nos programas com espaço para opinião na Sportv. Até a Globo perdeu a história condescendência. A firmeza com que divulgou os 85% de rejeição ao novo 'velho' treinador foi significativa. Os executivos não aceitarão passar pelas mesmas situações vividas em 2010. Ter as portas da Seleção fechadas como os outros veículos de comunicação. Em 2010, Dunga justificava ser democrático. Não abriria exceção para ninguém. Só se esqueceu que a Globo paga pelo futebol. E exerce o direito que o dinheiro lhe dá há mais de 40 anos, desde a época da Ditadura Militar. Ela sempre teve acesso aos intestinos da Seleção Brasileira. Só houve um treinador que disse não. E que executivos da emissora tinham certeza que nunca mais pisaria na CBF. Foi esse mesmo que Marin, Marco Polo e Gilmar Rinaldi resgataram. Não levaram em conta a velha e autoritária parceira. O motivo: mostrar independência. A farra da Globo na granja Comary com Felipão e Parreira foi imposta por Marin. Tirou o foco dos jogadores, atrapalhou profundamente o trabalho. O Brasil foi a única das 32 seleções que disputaram a Copa a ter o direito de fazer um treino secreto em sua concentração. Para agradar a Globo. Marin e Marco Polo ficaram revoltados quando a própria emissora passou a criticar o trabalho na Granja Comary. Foi amador justamente para agradar a Globo. Quando não deu certo, ela cobrou a falta de seriedade. Por isso teve o troco. Ele se chama Dunga. O treinador com 85% de rejeição dos brasileiros, segundo o Fantástico. Confronto à vista. Entre os antigos sócios: a emissora que controla o futebol e a CBF. Só há dois caminhos. Ou a Seleção realmente se fecha, faz um trabalho sério, sem privilégios, enfrentando um bombardeio de cobranças. Ou Dunga não será Dunga. Como Felipão não pôde ser Felipão. E hoje se arrepende muito, massacrado pela emissora que tanto ajudou na Copa. Não haverá meio termo...

domingo, 20 de julho de 2014

Funcionario da prefeitura de Mandirituba usa carro oficial para abandonar cachorrinha

Assunto que esta circulando nas redes sociais,uma mulher estava circulando com seu carro nas proximidades da Cidade de Mandirituba quando se deparou com uma cena Chocante. Ela viu quando a cadelinha corria desesperada atras do veiculo, da prefeitura atras do seu ex dono. Imediatamente a mulher seguiu o carro indgnada e chamou atenção do funcionario da prefeitura.Ele recolheu o animal e seguiu viajem. Pobre cachorrinha pode estar correndo risco de vida. Quero aqui deixar meus parabens pela atitude Humana e corajosa dessa mulher. Fonte: Nilmar Brito / Mari Mel Facebook

Morre Skye McCole Bartusiak, atriz que foi a filha de Mel Gibson em O Patriota

Morreu neste sábado, 19 de julho, a atriz Skye McCole Bartusiak. Ela tinha 21 anos e, segundo a Variety, faleceu durante o sono em sua casa, no Texas. A causa da morte não foi divulgada. O primeiro papel relevante de Bartusiak nos cinemas foi em O Patriota, onde viveu Susan Martin, personagem filha de Benjamin Martin (Mel Gibson). À época, ela tinha apenas oito anos de idade. Em seguida, Bartusiak teve uma participação recorrente na segunda temporada de 24 Horas e outras pontas em Lost, CSI e outros programas.

sábado, 19 de julho de 2014

Objeto não identificado é achado por moradores em floresta do Acre

Um suposto tanque de foguete espacial foi encontrado na floresta do município de Xapuri (AC), a 164 quilômetros de Rio Branco. Moradores relataram que há mais ou menos três meses ouviram um forte estrondo na região e suspeitam que tenha sido causado pela queda do objeto não identificado, que mede cerca de 1m de diâmetro. Eguinaldo de Almeida, 32 anos, da assessoria de imprensa da prefeitura de Xapuri, fotografou a peça metálica no seringal Porto Franco, de propriedade de José Maria Ferreira de Souza, 46 anos, a 12 quilômetros de Xapuri.
- Presenciei esse objeto, no meio da mata fechada, após meia hora de caminhada. Fiz uma pesquisa na internet e acredito que se seja um tanque de titânio, de combustível de foguete, de nível 3, ou seja, acoplado na última parte do foguete – especula. O objeto permanece dentro da floresta e Eguinaldo Almeida pretende pedir auxílio ao Corpo de Bombeiros para resgatá-lo. - A verdade é que não sei bem o que fazer, mas o objeto pode interessar às Forças Armadas, especialmente à Aeronáutica. Não pretendemos nos apossar dele, mas entregá-lo a alguém que possa estudar e dizer do que realmente se trata – acrescentou o assessor da prefeitura de Xapuri.